MARA GÓMEZ SE TORNA PRIMEIRA JOGADORA TRANS DO FUTEBOL ARGENTINO

Mara Gómez, atacante de 23 anos, se tornou a primeira jogadora trans profissional do futebol argentino. Ela participou de uma partida da Primeira Divisão de futebol feminino e, no encontro com seu time, Villa San Carlos, perdeu para o Lanús no dia 2, na Zone D. Mesmo com este resultado, @maragomez.oficial levou uma homenagem do clube adversário que lhe presenteou com uma camisa oficial para festejar o seu início no futebol profissional.

“Estava muito nervosa, era a minha primeira partida com essas companheiras. O que busco é curtir e fazer parte desse mundo, independente do sexo ou gênero ”, afirmou a atacante. “O caminho foi longo, foram muitos obstáculos, muitos medos e muitas tristezas. Aquilo que um dia me fez pensar que eu não seria ninguém, que nunca teria a oportunidade de ser feliz na minha vida hoje se inverte.

Estarei cumprindo um dos maiores objetivos da minha vida. Aquilo que achei indispensável, que nunca ia acontecer “, disse Mara, há dias, após obter a autorização da Associação de Futebol Argentino (AFA) para jogar o torneio. A AFA tomou como jurisprudência a Lei 26.743 sobre Identidade de Gênero, sancionada na Argentina em 2012. Essa lei, entre outras coisas, estabelece a obrigação das pessoas trans serem tratadas de acordo com sua identidade de gênero autopercebida.

Após vários meses de espera – com uma pandemia no meio – Gómez estreou no time comandado por Juan Cruz Vitale em uma jornada histórica para o futebol argentino. A estreia de Mara Gómez também abriu um precedente no esporte mundial, já que a inclusão de atletas trans é um debate aberto há anos, a tal ponto que o Comitê Olímpico Internacional (COI) recomendou que uma operação não seja mais “necessária para competir no ramo correspondente à identidade de gênero que expressam”.

Texto via @emergentesmedio. Siga para mais conteúdos da América Latina.

Siga o Alguém Avisa no seu Canal no YouTube e confira conteúdos especiais.