GAY TIMES LISTA 10 FATOS SOBRE HIV QUE DEVEMOS APRENDER

Com tanta confusão e desinformação sobre a transmissão do HIV, a Gay Times tomou a liberdade de destilar fatos importantes sobre prevenção, tratamento e divulgação. Eles entendem que há muito estigma em torno do HIV e o que significa ser HIV positivo, mas isso vem da desinformação que tem sido historicamente usada para espalhar o preconceito anti-LGBTQ. 

Já se foi o tempo em que ser diagnosticado com HIV era uma sentença de morte, e já se foi o tempo em que isso era visto como uma ‘doença gay’. Quanto mais educados estivermos sobre os fatos, mais perto estaremos de chegar a um ponto zero de novas transmissões – algo que o governo do Reino Unido se comprometeu a alcançar até 2030. Na verdade, entre 2015 e 2017, novos diagnósticos caíram de cerca de 6.000 para cerca 4300, então estamos fazendo progresso.

Aqui estão dez coisas para lembrar na próxima vez que você conversar com alguém sobre o status dela.

1. Indetectável = Não Transmissível 

Ter um status ‘indetectável’ significa que há tão poucas cópias do vírus HIV em seu sistema que os métodos de teste atuais serão considerados negativos. O risco de transmitir o HIV a um parceiro quando o tratamento anti-retroviral é eficaz é ZERO.

2. A Lei de Divulgação

Se você é HIV positivo, não deve a ninguém uma explicação sobre o seu estado e é totalmente sua a decisão de contar ou não a um parceiro. Isso é feito desde que você tenha relações sexuais protegidas, o que significa usar preservativos ou atingir um status indetectável.

3. Prevenção usando PrEP

Sexo sem camisinha é comum e é provável que alguém que você encontre o peça eventualmente, mas ainda há precauções que você pode tomar. A profilaxia pré-exposição (ou PrEP) é um medicamento que pode ser tomado por pessoas HIV-negativas, diariamente ou por evento, que atua na prevenção da infecção pelo HIV. Pode haver estigma em torno das suposições das pessoas que tomam PrEP, mas tomado de maneira adequada é mais eficaz do que os preservativos (que podem rachar ou vazar) na prevenção da transmissão do HIV.

A clínica em 56 Dean Street sugere que se a PrEP for administrada conforme prescrito, ela é quase 100% eficaz.

4. DSTs via beijo

A PrEP não impedirá a transmissão de DSTs, portanto, preservativos ainda são uma opção sensata, mas você sabia que também pode pegar certas DSTs beijando? Tanto a herpes quanto a sífilis podem ser transmitidas dessa forma, principalmente se uma das partes apresentar um corte ou ferida na boca.

5. Saber seu status

De acordo com um estudo da Public Health England em 2018, 97% das pessoas cientes de seu status que vivem com HIV são indetectáveis, mas aproximadamente 12% das pessoas não sabem de todo seu status. Estudos demonstraram que apenas 45% da população pode identificar com precisão as formas de transmissão do HIV. Teste e educação regulares são a melhor maneira de prevenir novas transmissões.

6. O risco de transmissão é maior através do sexo anal

Ser o ‘bottom’ durante o sexo é o maior risco de transmissão do HIV, junto com o compartilhamento de agulhas contaminadas para o uso de drogas. O risco é um pouco menor se você for o ‘top’, mas isso muda se o sexo for violento ou se você tiver uma IST não diagnosticada. 

7. Você não pode pegar o HIV beijando

Você não pode pegar o HIV por nenhuma das seguintes coisas: masturbação, beijo, toque, compartilhar o assento do vaso sanitário, compartilhar uma lâmina de barbear ou escova de dentes, ou preservativos usados. Essa última pode ser uma surpresa, mas o vírus HIV não sobrevive por muito tempo fora do corpo, então, embora possa não ser higiênico brincar com essas coisas, você não vai pegar o HIV dessa forma. Observação: uma versão anterior deste artigo sugeria que o HIV não pode ser adquirido por meio de agulhas descartadas. De acordo com o  NAM Aidsmap , o HIV pode sobreviver em seringas por até seis semanas, mas não houve nenhum caso relatado de infecção por HIV através do contato com uma agulha descartada em um local público.

8. A transmissão é incrivelmente baixa através do sexo oral

Tão baixo que não seria prescrito PEP (veja o próximo ponto) por um médico por exposição ao HIV através do sexo oral. A chance é maior se você for a pessoa que está dando chupadas e seu parceiro tiver um corte ou ferida nos órgãos genitais, mas mesmo assim as taxas são baixas.

9. Medicação de emergência para contato

Se você acha que está em risco de infecção pelo HIV e está preocupado, o conselho do NHS é visitar o pronto-socorro ou clínica de saúde sexual mais próxima e explicar a situação. A Profilaxia Pós-Exposição (PEP) é uma combinação de drogas (uma pílula uma vez ao dia, outra duas vezes ao dia) tomada por 28 dias que irá minimizar o risco de infecção, e você será solicitado a fazer um teste de HIV no final desse curso . As primeiras 72 horas após a exposição são a janela crucial para tomar PEP, e quanto mais cedo você começar, maior será a chance de ela funcionar.

10. Pessoas com HIV vivem as mesmas vidas que todas as outras

Não deveríamos ter que dizer isso em 2019, mas o HIV agora é uma condição administrável, o que significa que qualquer pessoa que viva com o vírus e em tratamento eficaz pode viver uma vida tão longa e mundana quanto qualquer outra pessoa.

Saiba mais:

Siga o Alguém Avisa no seu Canal no YouTube e confira conteúdos especiais.